Terceira edição do NordesteLab abre portas para o cinema Latino-americano e feminino

Encontro de negócios e projetos reúne agentes do audiovisual do Brasil e da América Latina durante quatro dias de evento, em Salvador (BA)

Para quem vai ao cinema assistir a um filme, é possível que nem imagine como funciona a cadeia produtiva de audiovisual. No entanto, para o trabalho do “fazer cinema”, as etapas de uma produção circulam entre pensar o roteiro até vender/distribuir o produto final. Para isso, muitas negociações são feitas. Além de editais específicos para distribuições de filmes no Brasil, os encontros de negócios voltados para o audiovisual têm revelado grandes oportunidade para os produtores mostrarem suas obras. Dentro desse circuito, vem se destacando, há três anos, o NordesteLab, sob a realização do Laboratório Audiovisual, que consiste em uma plataforma permanente de articulação audiovisual, desenvolvimento e geração de negócios, de comercialização de produtos audiovisuais, formação, pesquisa e articulação com agentes nacionais e internacionais do setor.

Noite de abertura

A noite desta terça-feira (30) deu espaço para a abertura do NordesteLab 2017, que contou com a participação do público massivo e atento lotando o teatro do Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (IRDEB).

“Somos filhos de uma luta”, afirmou Daniela Fernandes que compõe, juntamente com Gabriel Pires e André Araújo, a equipe coordenadora do evento. Daniela ressaltou ainda que o NordesteLab é uma construção de anos e justifica os temas abordados nesta edição: “Esse tempo aponta que devemos olhar para o cinema Latino-americano e para as mulheres”.

materia 1111

Após a apresentação da equipe coordenadora do evento, abriu-se espaço para o primeiro debate desta edição.

A temática do debate de abertura tratou de um tema urgente: o audiovisual Latino-americano. Formado por Luiz González Zaffaroni, diretor Executivo Doc/Montevideo, Maria Nuñez, coordenadora do Primer Corte/Ventana Sur e Assessora Internacional INCAA, e Gonzalo Castellanos, da Proimágenes – Bogotá Audiovisual Market, o cinema Latino-americano foi amplamente debatido, pensado e questionado. Com mediação Lucas Mauro Garcia da Brasil Audiovisual Independente (BRAVI) e participação dos debatedores, que também são curadores do Nordstelal 2017, Pola Ribeiro, da TemDendê/Salvador,  e Chico Ribeiro, da REC Produtores Associados/Recife.

materia 11

 

Destaques da terceira edição do NordesteLab

NORDESTELAB RECEBE CINEASTA INDICADO AO OSCAR

A edição 2017 do evento contará com a participação especial do cineasta Abderrahmane Sissako, no dia 02 de junho, às 14h30, no painel “Cinema Negro”, que será realizado no Teatro do Goethe Institut Salvador/ICBA, com entrada gratuita mediante a lotação do espaço. Entre as abordagens do painel, destaca-se a promoção da identidade e da cultura negra sob a ótica de cineastas e produtores negros.

O cineasta da Mauritânia Abderrahmane Sissako, que foi um dos indicados ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 2015 por seu longa “Timbuktu”; é uma referência do cinema mundial, acumulando prêmios por diversos trabalhos realizados como diretor e produtor, entre eles, o de melhor filme estrangeiro no Festival de Cannes com o filme Heremakono (À espera da felicidade). O diálogo com o cineasta será mediado pelo diretor baiano Antônio Olavo.

 

ANTÔNIO PITANGA DISCUTE CINEMA NEGRO NO NORDESTELAB

O ator que está em cartaz com o documentário “Pitanga”, participa da mesa da “Cinema Negro – Conexões na Diáspora”, que acontece no NordesteLab, dia 02 de junho, às 15h50, Goethe Institut Salvador/ICBA. Entrada gratuita mediante a lotação do espaço. Além de Pitanga, participam da mesa importantes nomes do cinema negro: Jamile Coelho (Estandarte Produções), Stella Zimmerman (Asira Fimes), Urânia Munzanzu (Realizadora Independente/Comunidade Bogum), Viviane Ferreira (APAN) e a mediação será do produtor Emerson Dindo (Portátil).

 

b9f92a80fe94cd30180516ba3deed2ef

PARIDADE DE GÊNERO É TEMA EM MESA DO NORDESTELAB 2017

A mesa (Des)locais – “Mulheres no Audiovisual – em busca da paridade de gênero”, acontece no dia 1 de junho, às 9h30, sendo composta por importantes referências femininas do audiovisual. A discussão se estende para programação vespertina com o Encontro de Mulheres do Audiovisual.

O diálogo sobre a igualdade de gênero no audiovisual será contemplado na programação do NordesteLab 2017. A mesa (Des)locais – “Mulheres no Audiovisual – em busca da paridade de gênero”, acontece no dia 01/06 às 9h30, no Teatro do Goethe Institut Salvador/ICBA, sendo composta por Débora Ivanov (ANCINE), Malu Andrade (Mulheres do Audiovisual Brasil), Dênia Cruz (Trinca Audiovisual/RN), Milena Evangelista (SECULT/PE), Thamires Vieira (Rebento), com mediação de Daniela Fernandes (Laboratório Audiovisual).

 

No mesmo dia da mesa (01/06), às 15h00, as mulheres terão mais um espaço de compartilhamento de experiências e articulação na atividade “Encontro de Mulheres do Audiovisual”, que será realizado no Café do ICBA. A reunião que será realizada pela primeira vez no evento, aposta na viabilização de trabalhos e na conexão de mulheres de diferentes estados do Brasil, acreditando na importância de atuação em rede.

 

Confira a programação completa  do evento em www.labaudiovisual.com.br

Deixe um Comentário